terça-feira, 28 de julho de 2009


Trago nas mãos um coração que foi a lavar e encolheu ao tamanho de uma cereja.
E na garganta as mil vozes de coisas por dizer.
Não é que os pulmões não se contraiam para dar a vez à coragem,
É antes culpa do charme, da teimosia do que não quer saber.
E o fechar de olhos entreabertos que finge que não vê.
Mas o óbvio é tão pouco discreto...

2 comentários:

Mafalda Soares disse...

Às vezes é bom termos os olhos semi-cerrados, custa menos a aceitar a realidade...

Temos TANTO para falar, caríssima MB...


*

Sandro disse...

E eu também quero FALAR! :D